A libido é uma carga energética que tem origem na sexualidade como um todo. Muitas pessoas acham que a sexualidade localiza-se apenas no aparelho genital, o que não é verdade.
 
A libido é uma energia que faz os indivíduos buscarem a realização de suas necessidades básicas, como a fome, por exemplo, e também todas as formas de prazer.
Assim, parte da libido é reprimida ou destruída através dos mecanismos repressores sociais, parte é deslocada para outros atos humanos como estudar, fazer arte, trabalhar ou outras atividades que julgamos importantes ao longo de nossas vidas, e uma última parte fica disponível para o prazer sexual.
A libido é a energia que move o ser humano a se relacionar com os objetos, com o meio ambiente ou com outras pessoas, do mesmo sexo ou do sexo oposto. Se não fosse pela libido, o ser humano não iniciaria sua relação com o mundo e não a valorizaria.
 
É esta energia que garante que as crianças comecem a brincar, a locomoverem-se para explorar a realidade à sua volta. Libido também significa limites, ter a noção dos limites à nossa volta, reconhecer o que é proibido, o que é perigoso, ou o que é aceitável, o que é livre.
 
A capacidade de canalizar a libido para o mundo exterior é fundamental para o equilíbrio do ser humano. Problemas nesta canalização podem ocasionar falhas na socialização, como o autismo, auto-agressão, masturbação compulsiva e outros distúrbios de comportamento.
 
Na linguagem comum, a libido pode ser entendida como “vontade” e para entender melhor este conceito podemos nos utilizar das nossas expressões cotidianas: “não estou com vontade”; “sem vontade não há solução”. Estas formas de expressão sinalizam a importância da libido em todas as nossas ações. Libido é um termo que significa vontade e desejo.
 
A falta de libido nas mulheres está relacionada com a frigidez ou a insensibilidade em relação aos estímulos com base sexual. Muitas doenças, incluindo mentais e psicossomáticas, podem estar relacionadas com a falta ou perda de libido, como por exemplo: depressão, anorexia, cirrose, hemocromatose, hipogonadismo e outras.
Por outro lado existem doenças que resultam em um aumento excessivo da libido, como: obsessão ou TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo), transtorno bipolar, hipertireoidismo e sífilis. Alguns medicamentos e muitas drogas também provocam alterações na libido. Um aumento patológico da libido é também conhecido como vício do sexo ou ninfomania, satiríase ou compulsão sexual.
 
No Centro Metamorfose, recomendamos que as pessoas que sofrem de ações provocadas pelo aumento ou pela diminuição da libido que passem pelo processo de reeducação sensorial através do Método Deva Nishok, onde o prazer e o afeto são explorados de forma consciente e com um propósito não-sexual, abrindo os caminhos de mobilização e de expansão da energia sexual através do seu corpo até um ápice energético conhecido como Hiperorgasmo.
É terapêutico, um processo de harmonização e cura, que não possui nenhuma conotação sexual.